Após O Fim
Me perdi. Saí da trilha. Fugi do rumo. Engraçado falar assim, até parece mesmo que estou em meio ao mato, perdido. Talvez fosse melhor, assim, poderia traçar o caminho contrário e quem sabe retornar a origem. E quando não há mais caminhos opcionais a se tomar?
Certa vez, ouvi dizer que sempre nos perdemos por uma boa razão. Seja ela boa ou má, mas sempre existe um motivo. Nunca fui bom em brincadeiras de esconde e nem nas brincadeiras de guardar o segredo. Talvez seja por isso que a técnica do meio termo não funcione comigo. Eu sou oito ou oitenta, sem equilíbrio. Opa, acho que encontrei o motivo de estar perdido. Mas, o motivo ainda não me achou… Cadê você, Equilíbrio?
Vagar por essas bandas aqui de dentro já não me parece tão ruim. Até que eu estou gostando de me achar aos poucos nessa caçada sem fim por um ponto meio termo. Mas, e quem sabe quando o encontrarei? Quem sabe se já não o encontrei? Se perder já não parece a forma tão certa de se dizer. O que importa é perder a cabeça mantendo os pés no chão. Não me refiro a fazer nada sem pensar. Pense, pense bem, com o coração. Equilíbrio, Equilíbrio, ainda bem que encontrei você. E agora? E quanto a nós, quem sabe?
Rodrigo Oliveira
Que as lembranças, não importando o bem ou mal que façam, continuem a florescer. Dando continuidade a esse leva e traz que toda noite, insiste em renascer. Que todo o trabalho feito, traga recompensas calorosas. E enfim, em alguma noite charmosa, o passado retome acontecer.
Rodrigo Oliveira
Moça bonita, teu cabelo tem um brilho escandescente. Teu olhar, uma força surpreendente… Oh, bela moça, de onde vem esse teu sorriso reluzente? Vez ou outra me pergunto se é ilusão, olho para trás e retorno para frente. Querida, por quanto tempo terei teus abraços quentes? Meia noite, meia volta… Uma última música, uma última dança. Hora de encarar, deixar de ser criança já que fugir não adianta. No fim, já na última batida – a bela – disparou sua lança.
Rodrigo Oliveira
Bem no fundo, há coisas que são só minhas. E embora me assustem às vezes, é delas que mais gosto.
Caio Fernando Abreu    (via sexleff)
Um café quente. Um trago ali, outro aqui. Noites sem dormir, lembrando você aqui.
Rodrigo Oliveira
Devia ter me importado menos com problemas pequenos.
Titãs.   (via verbismo)

Não me venha
com novas histórias
de chuva vazia
lá fora

Não me venha
com novos amores
falando de
novos cobertores

Não me venha
com seu papo
solto sem nó
restando apenas pó

Não me venha
com outras invenções
machucando magoando
nossos corações

Rodrigo Oliveira
De uma forma diferente, você consegue ser meu tudo. Meu mundo. Me derreto de amores por você, meu bem. Determinei uma missão a ser cumprida, por mim, claro. Te farei feliz enquanto houver vida e ar, te farei feliz até você se cansar.
Eu te prometo, meu mimo, prometo que te levarei frutas recém-colhidas no café da manhã, prometo uma vida recheada de sorrisos, te prometo filhos e quem sabe cachorros. Querida, eu prometo por inteiro me doar e se você não soltar minha mão, prometo te amar.
Rodrigo Oliveira

Um pequeno
pedaço de
amor

Uma vida inteira
para juntos
viver

Uma rede na varanda
para ver
o sol nascer

Uma chama inapagável
para esquentar
o meu bem querer

Assim eu imagino
todos os dias
eu e você

Rodrigo Oliveira

Quem gosta não se vinga
grita
xinga
faz sua ginga

Quem gosta cuida
está sempre presente
se joga de cabeça
para não sair da mente.

Rodrigo Oliveira

Dedico-te um poema
Palavras pequenas
Dedico-te uma dose
Um último trago
Dedico-te um abraço
Mil e um pecados

Dedico-te uma lágrima
Salgada e pequena
Dedico-te um sorriso
Sincero e sem vergonha
Dedico-te uma fronha
E todas as noites sob ela

Dedico-te um brilho no olhar
Um jeito carinhoso de chamar
Dedico-te uma noite enluarada
Uma bonita canção na sacada
Dedico-te um amor repentino
Meus carinhos aos domingos

Dedico-te uma boa viagem
Sempre em ótima companhia
Dedico-te um bom filme
Pipoca com gosto de paixão
Dedico-te também meu coração
Um bobo descompassado de emoção

Por último
Eu me dedico àquela mulher
Com jeito de menina
Que a sina me apresentou
Dedico-me por inteiro
De Janeiro a Janeiro

Rodrigo Oliveira

Olha lá,
quem vem chegando,
pirando,
cantando.

Olha lá,
que bela mulher,
dançando,
brincando.

Olha lá,
o sorriso de canto,
sincero,
venero.

Olha ali,
o que ela te deixou,
um prato,
recheado com amor.

Olha aqui,
o bilhete que ficou,
retratando o que passou,
naquela noite de calor.

Rodrigo Oliveira
Sou teu,
Teu ego,
Teu orgulho,
Tua marquise,
Tua morada,
Teu tudo,
Teu nada,
Teu desejo,
Teu calor,
E nas horas vagas,
Também sou,
Teu amor…
Rodrigo Oliveira
Me rega,
Me mima,
Me leva,
Sou uma flor,
Tua flor,
Teu amor,
Me cuida,
Me chama,
Me ama.
Rodrigo Oliveira
Te peço baixinho, meu bem, mais cinco minutinhos. Fique mais um pouco, deixe de charminho. Mas se da sua vontade for, te faço companhia pela alvorada. Sem reclamar, nem nada. Uma pausa na bancada para saudar o novo dia, juntos, só mais um pouquinho. Te darei todo o meu carinho e abraços no caminho.
Rodrigo Oliveira

theme: cerejadosundae. +
»